covid
Epidemia Dor

Sultão de Omã morre sem deixar herdeiro ou sucessor para o trono

Qaboos bin Said Al Said tinha 79 anos e estava com a saúde debilitada; ele comandava o país desde 1970, mas nunca se casou e nem teve filhos

11/01/2020 08h26
Por: Redação
Fonte: Conteudoms
149

O sultão do Omã, Qaboos bin Said Al Said, morreu na noite desta sexta-feira aos 79 anos, sem deixar herdeiros ou sucessor para o posto que ocupou desde 1970.

 

A notícia da morte foi confirmada pela ONA, a agência estatal do país, em nota divulgada na madrugada de sábado.

 

“Com corações que acreditam no destino de Deus e com toda a tristeza que temos com a situação completa da ordem de Deus, o Sultanato anuncia a morte do sultão Qaboos bin Said Al Said, que foi escolhido por Deus para estar com ele nesta sexta-feira”, anunciou a ONA.

 

A agência, que não deu detalhes sobre as causas da morte do sultão, anunciou que haverá três dias de luto em Omã e suspensão das atividades tanto no setor público como no privado. As bandeiras do país serão hasteadas a meio mastro por 40 dias.

 

O estado de saúde de Qaboos era sensível e mantido em segredo, exceto por algumas viagens que ele fez ao exterior para realizar tratamentos médicos.

 

Qaboos chegou ao poder em 1970, depois de aplicar um golpe em seu próprio pai, Said bin Taimur. Ao sultão é atribuída a modernização e o desenvolvimento do país, que não conta com grandes reservas de petróleo como os demais vizinhos do Golfo Pérsico.

 

Venerado em Omã, pouco se sabe da vida privada de Qaboos, que nunca se casou ou teve filhos. Ele também não indicou publicamente entre seus familiares um possível candidato a sucedê-lo.

 

Posteriormente, o governo divulgou no Twitter que um primo do sultão assumirá o comando do país. O desejo foi deixado em uma carta, aberta apenas após a morte.

 

“Haitham bin Tariq foi empossado como o novo sultão do país, depois de uma reunião da família que decidiu nomear o escolhido pelo sultão.”

 

Omã conseguiu se manter à margem dos conflitos no Oriente Médio ao adotar uma postura neutra ao lidar com Arábia Saudita e Irã, os principais rivais regionais.

 

O país, inclusive, mediou diálogos entre representantes dos dois vizinhos para tentar pôr fim ao conflito no Iêmen.

 

Além disso, governo de Qaboos foi o primeiro do Golfo Pérsico a estabelecer laços diplomáticos com Israel.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.