Tarde Demais

Petrobras coloca população em risco com possível desabastecimento, diz federação dos petroleiros

A paralisação dos petroleiros chega a seu 18º dia, atingindo 121 unidades da Petrobras e reunindo 21 mil funcionários.

19/02/2020 13h37
Por: Redação
Fonte: Conteudoms
107

Na última segunda-feira (17) a greve de funcionários foi declarada como ilegal pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST).

 

A greve dos petroleiros, que acontece desde o dia 1º de fevereiro, teve como estopim a implementação de um plano de demissões em uma subsidiária da Petrobras, a Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen).

 

A empresa busca conter a greve com pagamentos “aos que estão atuando para a continuidade das atividades da companhia”.

 

O diretor da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, disse à Sputnik Brasil que a greve foi iniciada por conta conta da intransigência da empresa em não querer atender a uma pauta que foi entregue no mês de janeiro.

 

“A pauta falava na necessidade de suspensão das mil demissões de trabalhadores e trabalhadoras da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná [Fafen] e da suspensão de medidas arbitrárias e unilaterais, sem negociação alguma com os sindicatos, que estavam sendo implementadas pela gestão da empresa em áreas operacionais”, afirmou.

 

Além disso, o diretor da FUP destacou que a manifestação pede que a empresa volte a “respeitar os fóruns de negociação coletiva do acordo coletivo de trabalho”.

 

“Felizmente a categoria que aprovou essa greve em Assembleia, executou essa greve e tem mantido essa greve forte. Nós estamos com essa quantidade de petroleiros exatamente em 121 unidades do sistema Petrobras, já atingindo em torno de 65 a 70% dos trabalhadores e trabalhadoras das áreas operacionais do sistema Petrobrás, demonstrando a força da categoria petroleira diante dessa truculência da gestão da Petrobras”, disse o diretor da FUP.

 

De acordo com ele, a gestão da Petrobras “coloca em risco a população brasileira com o possível desabastecimento de produtos essenciais aos brasileiros e brasileiras”.

 

“Algo que nós não queremos fazer. Nós queremos que o petroleiro trabalhe, que ele possa trabalhar para que a produtividade nas refinarias possa aumentar, e, consequentemente, os custos e os preços dos derivados de petróleo possam baixar e chegar a um preço justo à população brasileira”, completou.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.