Epidemia Dor

Fake news e compra de votos continuam no foco da Justiça Eleitoral de MS

TRE-MS espera que as punições possam reduzir estas duas práticas na eleição deste ano

25/09/2020 13h59
Por: Redação
Fonte: campograndenews
43
Juiz eleitoral, Daniel Castro, durante evento promovido pelo Sebrae (Foto: Leonardo Rocha)
Juiz eleitoral, Daniel Castro, durante evento promovido pelo Sebrae (Foto: Leonardo Rocha)

Os casos de fake news e compra de votos continuam sendo as principais preocupações da Justiça Eleitoral de Mato Grosso do Sul, para as eleições municipais. As punições e conscientização dos candidatos são as ferramentas para tentar coibir a prática e reduzir o número de processos este ano.

“O fake news sem dúvida é uma preocupação, por isso estamos desenvolvendo um trabalho neste sentido, para que não haja desinformação e notícia falsa aos eleitores. Existe atividade de conscientização para que a eleição seja mais tranquila”, descreveu o juiz eleitoral, Daniel Castro, que representou o TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de MS), em evento promovido pelo Sebrae.

Castro ressaltou que a Justiça Eleitoral está preparada para combater estes casos e analisar os processos que chegarem sobre “notícias falsas”, ao longo do pleito. No Mato Grosso do Sul já houve o primeiro caso na pré-campanha do município de Costa Rica, onde o magistrado mandou retirar publicação do Facebook.

Compra de votos – Apesar de já existir várias condenações, com políticos perdendo mandato e se tornando inelegíveis, a “compra de votos” continua no topo das preocupações da Justiça. “Ainda é grande o volume de processos por este crime. Temos que analisar os processos e continua punindo os envolvidos”, descreveu Castro.

Ele entende que punições anteriores podem “coibir” esta prática para novos candidatos e até políticos que buscam a reeleição. “A punição para quem realiza este tipo de conduta, mostra que temos um trabalho sério nestas situações e a intenção é que não ocorra mais”.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.