Epidemia Dor

Chuvas devem durar até novembro em MS e incêndios no Pantanal podem ser extintos

Segundo monitoramento, chuvas serão frequentes e significativas ainda em outubro

15/10/2020 18h13
Por: Redação
Fonte: midiamax
70
Brigadistas combatem fogo no Pantanal | Foto: Henrique Arakaki
Brigadistas combatem fogo no Pantanal | Foto: Henrique Arakaki

O relatório do Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e Clima) divulgado nesta quinta-feira (15) aponta que as chuvas serão frequentes e significativas, durante o mês de outubro e devem durar até novembro em Mato Grosso do Sul. Além disso, a umidade deve ajudar na extinção de focos de queimadas no Pantanal.

De acordo com a coordenadora do Cemtec, Francine Rodrigues, a projeção mostra que as chuvas chegam a estabilidade anual. A notícia tão esperada aponta que os níveis da umidade do ar alcançam a segunda fase de chuvas gradativas e intensas.

“Tivemos algumas surpresas como áreas de instabilidade muito intensificadas que provocaram granizo e raios ontem (14). Essa é a principal característica do início das chuvas de primavera. Ela passou a ser significativa já no dia 13. As nuvens carregadas estavam concentradas na região centro-sul, e agora começam a se espalhar por MS”, explica.

Chuvas devem durar até novembro em MS e incêndios no Pantanal podem ser extintos

Conforme o indicador, as nuvens carregadas começam a se expandir, porém, o alerta é para intensidade de rajadas de vendo, queda de granizo e raios, o que pode causar incidência de incêndios florestais, pois o solo ainda está seco.

“De 15 a 23 de outubro, o mapa mostra bons acumulados em torno de 50 mm em MS, e concentração de chuva na região pantaneira. Esperamos que as condições se revolvam nesse período. De 23 a 31 de outubro a intensidade de chuva aumenta mais ainda, variando até 100 mm. Mesmo com as chuvas, a preocupação é de que se a chuva iria continuar, mas as estimativas mostram que continuam até meados de novembro”.

A estabilização da fase de chuvas gradativas traz um alívio aos combates no Pantanal. Ainda na tarde de hoje, poucos pontos de queimada estavam ativos em Rio Negro, Corumbá e Ladário, porém, uma intensa chuva chegou na tarde e extinguiu os focos.

“O combate muda em função da meteorologia, a chuva vem para resolver a situação, tanto de focos de calor, como de área queimada, que impactam na nossa operação. Não será com essas primeiras chuvas que deixa a vegetação úmida e segura, precisamos de chuva de, pelo menos, uma semana”, disse o tenente coronel Moreira.

Conforme o secretário da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), Jaime Verruck, embora a previsão seja otimista, as equipes e aeronaves devem permanecer nos locais de combate para monitorar as áreas e evitar possíveis retornos de incêndios.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.