mascara

PONTA PORÃ NA LINHA DO TEMPO/YHULDS BUENO: MEMÓRIAS DA AVIAÇÃO FRONTEIRIÇA. AVIÃO BÚFALO DA FORÇA AÉREA CAIU NA FRONTEIRA.

Ponta Porã na Linha do tempo

Ponta Porã na Linha do tempo Pesquisador: Prof. Yhulds Giovani Bueno. Pós Graduado em Ensino de História e Geografia. UNIVALE Fac. Integradas do Vale do Ivaí. Mestrando PPGDRS/UEMS/UNIDADE PONTA PORÃ-MS.

19/09/2018 08h45Atualizado há 2 anos
Por: Redação
2.621

A região de fronteira é cercada de histórias e fatos épicos, muitos já esquecidos na atualidade, outros lembranças vivas dos cidadãos mais antigos. Sempre buscamos explicações para tudo que queremos entender, no decorrer de nossa existência, passamos grande parte da mesma tentando compreender o sentido de tudo, o sentido da nossa própria existência, tudo é cercado de mistérios, muitos não resolvidos. Como? Por quê? Perguntas sem respostas, justificativas um tanto sem sentido.  O ser humano é curioso e essa curiosidade que fez, e faz as descobertas e perguntas sem respostas serem questionadas, e uma parte solucionada, mas o grande mistério dos acontecimentos que envolvem a vida e a morte, estes quase sempre fica sem explicação.

Um acontecimento trágico que marcou a aviação na fronteira especificamente a cidade de Ponta Porã na década de 70, a queda do avião “Búfalo” da FAB com dois Generais, nove Oficiais, dois Sargentos e sete praças destes 20 tripulantes somente o Sargento Rubens Mitsuzaki sobreviveu.

Divulgação fonte web imagens: Ponta Porã Linha do Tempo. Foto dos destroços do Avião Búfalo da Força Aérea Brasileira.

Segundo reportagens publicadas na imprensa nacional. A comitiva de militares tinha feito à inspeção de rotina no então 11º Regimento de Cavalaria de Ponta Porã e pretendia retornar a cidade Campo Grande, o avião Búfalo da FAB prefixo 2366 durante seu voo se deparou com mau tempo forçando a retornar ao aeroporto de Ponta Porã quando colidiu com caixa d’água caindo ao solo e explodindo as 07h30min, este relato foi publicado na Folha de São Paulo em 19 de setembro de 1974.

Segundo populares que estavam em suas residências e se preparavam para sair para o trabalho outros já no trabalho, ou seja, a rotina da fronteira seguia normalmente, se diferenciando do barulho de aeronave sobrevoando a cidade bem próxima as casas existentes na região do aeroporto de Ponta Porã, quem pode presenciar esse fatídico dia conta que ao tentar pela segunda vez pousar na pista principal do aeroporto a aeronave fez uma curva à direita após arremeter, que no dicionário tem como significado: (Procedimento de emergência no qual o piloto de uma aeronave retoma o voo da mesma depois de falhas no procedimento do pouso).

Tentando seguir em sentido ao centro da cidade de Ponta Porã, a mesma passou em voo rasante por cima do arco da granja ou portão da granja, que ainda existia nessa época, batendo em arvores próximas derrubando galhos, segundo populares que moram ainda nessa região a aeronave derrubou a torre da igreja católica, o barulho era ensurdecedor aterrorizante, a aeronave veio a se chocar com solo na região da área pertencente ao exercito próximo onde hoje se localiza o Parque dos Ervais, com o impacto a aeronave explodiu espalhando suas fuselagens segundo dicionário é: (O corpo principal do avião, no qual é fixado o trem de aterrissagem, as asas, e onde se encontram os passageiros, a carga, a tripulação).

As chamas e a fumaça eram vistas a grande distância, muitos foram ver o ocorrido tentando ajudar, mas a primeira pessoa a chegar ao local salvando o único sobrevivente foi a Dra. Belmira Villanueva, hoje conceituada advogada na cidade de Ponta Porã.

Segue relato de pessoas da época que todos desde crianças a pessoas de mais idade, ficaram em comoção, pois nunca tinham presenciado uma tragédia de tal proporção, os corpos eram retirados pelos militares em macas e enfileirados lado a lado, cobertos por lençol branco, algo chocante para a pequena cidade de fronteira do interior.

Divulgação fonte web imagens: Ponta Porã Linha do Tempo. Foto dos caixões com o corpo dos tripulantes do Avião Búfalo da Força Aérea Brasileira. Em comitiva sendo transportados nos jipes do Exercito brasileiro (11º RC)

Muito se falou sobre o assunto fatídico que culminou na morte de tantos militares nesse tempo a cidade de Ponta Porã não possuía um Grupamento de Corpo de Bombeiros, que dificultou o combate às chamas que fora realizado pelo exército e voluntários.

Divulgação fonte web imagens: Ponta Porã Linha do Tempo. No local da tragédia fora erguido um Monumento Militar Votivo alusivo à tragédia ocorrida às 7h26min do dia 18 de setembro de 1974, onde fora mencionado o nome e a patente de cada militar. 

Por ter ocorrido esta tragédia com a aeronave Búfalo da FAB onde ocorreu na época dificuldades de combate às chamas que se espalharam pela mata, e anos depois o incêndio em 12.11.82 no Supermercado e Materiais para Construção TAKEUSHI, onde não houve vítimas fatais, porém os danos materiais foram totais, sendo que para realizar o combate ao fogo fora chamada uma Guarnição de Incêndio do 2º SGI da cidade de Dourados que compareceu ao local aproximadamente 2 horas após o início do incêndio e posterior sinistro, a demora se deu pela distância entre Dourados e Ponta Porã, sendo que puderam apenas fazer o rescaldo. Se observou a necessidade de uma unidade do Bombeiro Militar em Ponta Porã, que foi criado em 23 de dezembro de 1.982 a 2ª Seção de Combate a Incêndio, subordinado a unidade de Dourados, vindo posteriormente a ser transformado no 3º Sub-grupamento de Incêndio, hoje é o 4º Grupamento de Bombeiros, esta criação se deu mediante estas tragédias e para prevenção de outras que desde então vem combatendo incêndios e salvando vidas na região de fronteira.

Rememorar fatos históricos, mesmos que esses sejam trágicos, é manter viva a memória de um povo, para que o mesmo nunca se esqueça do ocorrido em outras épocas, para sempre se fortalecer mesmo nos momentos mais difíceis. 

Pesquisador: Prof. Yhulds Giovani Bueno. MESTRANDO PPGDRS UEMS PONTA PORÃ MS. Pós Graduado em Ensino de História e Geografia. UNIVALE Fac. Integradas do Vale do Ivaí. [email protected]

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.